Girl Power: mulheres se unem em projetos coletivos e ampliam a cena cultural de São Paulo

 

Com o poder feminino cada vez mais aflorado, na vida, na atitude e na mídia, podemos enfim enxergar a mulher além de padrões estéticos e conservadores. As “Amélias” se rebelaram e agora mostram o quanto as mulheres já fizeram e ainda fazem nas mais variadas áreas de atuação que permeiam a evolução da espécie: da ciência à engenharia; da gastronomia à educação. Elas estão lá. Sempre estiveram. Nunca deixarão de estar.

Nos últimos anos, vários projetos coletivos formados por mulheres têm ampliado a cena cultural de São Paulo, seja ocupando as ruas ou ocupando cargos que antes eram atribuídos somente ao público masculino. Entre eles está a arte urbana, contando com presença feminina cada vez mais forte e enraizada. Simone Sapienza “Siss”, Magrela, Negahamburguer, Nina Pandolfo, Katia Suzue, Tikka Meszaros e Minhau são apenas algumas das representantes da cena do grafite paulistano.

Parte destes nomes fazem parte do Efêmmera, grupo formado por 30 mulheres que se relacionam artisticamente com a cidade. Elas se revezam entre palestras, oficinas, live-paintings e ações urbanas para disseminar a cultura de rua feita pelo público feminino. Em 2015, o coletivo realizou a primeira edição de seu próprio festival, chamado Trilha. “A palavra central do evento foi união. Nessa vida, a gente não realiza nada sozinho, mas se o bonde se junta e trabalha para um objetivo comum, a força que isso tem é gigantesca. A mobilização das minas foi algo emocionante. Ver todas elas ali produzindo, trocando e se conhecendo é inexplicável”, contou a idealizadora Bela Gregório.

Coletivo Efêmmera. Foto: Divulgação.

Coletivo Efêmmera. Foto: Divulgação.Poetizando os muros também estão os lambe-lambes, cartazes que espalham mensagens de empoderamento, autoestima, combate ao assédio e ao machismo. Ryane Leão é a mente por trás dos nomes “Se essa rua fosse nossa” e “Onde jazz meu coração”, enquanto Lela Brandão espalha pela cidade o Frida Feminista, projeto inspirado na artista mexicana Frida Kahlo. As duas se unem para ministrar oficinas de lambe-lambes e espalham essa ideia para outras garotas. Nessa ciranda também entram o Encontrarte, de Mari Vieira e Aline Fidalgo; o Microrroteiros da Cidade, da Laura Guimarães; o Poesia Móvel, da Carol Mondin; e o Manifesto das Minas, de Bianca Maciel, além de muitos outros, afinal, o talento é inesgotável.

Onde jazz meu coração e Frida Feminista em ação. Foto: Jéssica Mangaba.

Onde jazz meu coração e Frida Feminista em ação. Foto: Jéssica Mangaba.

Além de usar sprays, a criatividade feminina flui e chega aos poderosos desenhos feitos com linhas de crochê pelas mãos de Karen Dolorez. Os novelos também alcançam a arte do Coletivo Meio Fio, composto por sete mulheres que criam intervenções urbanas com fios coloridos. “Através de fios imaginários e reais, ligamos presente, passado, pessoas e memórias. Buscamos o valor de elementos ignorados e esquecidos da cidade com o objetivo de construir um futuro viável, acolhedor e convidativo”, se lê no site oficial.

Coletivo Meio Fio. Foto: Divulgação.Coletivo Meio Fio. Foto: Divulgação.

Na música que invade as ruas e espaços públicos, o grupo Ilu Obá de Min, nome yorubá que significa “mãos femininas que tocam os tambores para o rei Xangô”, é um dos mais importantes da capital. Realizando um trabalho focado em educação, cultura e arte negra há 12 anos, a associação fundada por Beth Beli e Adriana Aragão desenvolve atividades de empoderamento da mulher e de enfrentamento do racismo, sexismo, discriminação, preconceito e homofobia. Seus tambores e corpo de baile feminino já conta com 150 participantes.

Ilú Obá de Min. Foto: Ricardo Matsukawa.Ilú Obá de Min. Foto: Ricardo Matsukawa.

São Paulo também revela o coletivo Feminine Hi Fi, que deu origem à primeira festa de sound system brasileira formada só por mulheres. Produzido por Dani I-Pisces, Lovesteady, Laylah e Rude Sistah, o projeto recebe convidadas de maneira alternada, abrindo espaço para profissionais e principiantes. A ideia é unir, incentivar e fundir conhecimento e aprendizado. “Queremos dizer o quanto é importante nos unirmos para combater todo mal que durante anos nos foi causado e a importância da sonoridade e do empoderamento. Tudo está fluindo, mas ainda achamos pouco, queremos mais e merecemos muito mais!”, exclamou o grupo numa entrevista que fiz.

Mulheres em projetos culturais de SP. Foto: Reprodução.Mulheres em projetos culturais de SP. Foto: Reprodução.

O projeto TPM: Todas Podem Mixar também ajuda a incluir mais força feminina na cena eletrônica. Criado pela DJ Miria Alves, a proposta é disseminar os conceitos teóricos e práticas da mixagem através de oficinas, além de orientar o público sobre como se sobressair num mercado ainda majoritariamente masculino. A mulherada também comparece em peso na Festa Mulheril, iniciativa de Dani Pimenta e Dé Schuw, focada em propagar a cultura do vinil e compartilhar experiências musicais. Além disso, valoriza e propaga as produções femininas dentro da arte, da fotografia e da moda.

Já no samba, quem dá o tom são as Sambadas, roda de samba formada só por mulheres, que comandam violão, pandeiro, tamborim, surdo, atabaque, chocalhos, clarinete e vozes. As rimas de resistência permeiam as letras de artistas e grupos de rap como Pretas Sonoras, Amanda Negra Sim, Cris SNJ, Shirley Casa Verde, Drik Barbosa e Mayarah Magalhães, a maioria parte da Frente Nacional Mulheres no Hip Hop, movimento forte de equidade de gênero.

DJ Miria Alves do Todas Podem Mixar. Foto: Divulgação.DJ Miria Alves do Todas Podem Mixar. Foto: Divulgação.

Se tudo isso ainda não basta para comprovar a importância e o impacto feminino na sociedade, calma que ainda tem mais. Haja força para seguir nas lutas diárias. Haja fôlego para continuar falando o que se recusam a ouvir. Haja união para que se fortaleçam. Haja inspiração para continuar transformando a sua própria história e outras tantas realidades. As mulheres estão por aí, aclamando por seus direitos, pedindo respeito, praticando a sororidade, vivendo o louco sonho de liberdade. Elas têm cores, ritmos, dons, personalidades. Depois de alcançar voos tão distantes e ampliar tantos horizontes, é a cidade que começa a ficar pequena para elas.

Dolorez Croche. Foto: Divulgação.Dolorez Croche. Foto: Divulgação.

Leia também: Nasce a Tear, rede de iniciativas e projetos, voltada para o público feminino

***
Por Brunella Nunes da Redação

 

Fonte: Sãopaulo são para saber mais acesse a matéria: http://saopaulosao.com.br/nossas-acoes/2677-girl-power-mulheres-se-unem-em-projetos-coletivos-e-ampliam-a-cena-cultural-de-sao-paulo.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.